O jornal Vanguardia, da Espanha, fez entrevista com Bill Wyman em que ele admite tocar com os Stones em um concerto comemorativo aos 50 anos do grupo. Abaixo os principais trechos da conversa.


Vais sair em tour com os Stones?  Está tudo no ar. Eu não tomo decisões pelo grupo, porém nos reunimos em dezembro passado por três dias. Queriam ver se havia possibilidade de eu fazer alguma coisa com eles. Foram muito agradáveis.


E como tu te sentiste?
Estranho, porque faz quase 20 anos que deixei a banda. Fiquei 30 anos no grupo, mas agora são duas décadas afastado. Sempre estive muito unido ao Charlie neste tempo. Vi o Ronnie com bastante frequência, mas encontrei Keith e Mick muito pouco. Estiive jantando com Keith e passamos muito bem juntos. Tenho enviado correspondências a ele. Porém, não há nenhuma decisão tomada. Se me pedirem para fazer um tour eu direi que não, porque não faço mais essas coisas. Seria apenas um concerto onde e quando eles queiram, pois somos amigos.


Mick Taylotr estaria junto?
Não. Nós pensamos nele, mas ele não é mais aquele cara que costumava ser quando era um gênio. De qualquer maneira, os 50 anos dos Stones são em janeiro. Tentam dizer que é este ano porque os primeiros Stones se reuniram em julho de 1962, mas eu entrei na banda em dezembro e o Charlie em janeiro de 1963. Então, o aniversário dos membros mais famosos é janeiro.


Ainda te consideras um Stone?
Eu não, mas as pessoas sim. Há taxistas que acreditam que eu continuo na banda. Perguntam quando sairemos em tour. Eu pegunto se é com os Rhythm Kings que querem saber e eles dizem: “não, com os Rolling Stones”. E logo se desculpam. Eu sempre coloco ex-Rolling Stones em tudo que escrevo.

A entrevista foi publicada no IORR. Quem quiser ler a íntegra pode acessá-la clicando aqui.

Comentários

comentários