Ser diferente e não repetir a fórmula usada por quase todos os grupos tributo é a grande arma da Stones Blues Band. O trio se apresentou na noite desta sexta-feira (29.03) no Espaço Maestro, na Zona Sul da capital gaúcha, e proporcionou uma viagem no tempo, como se estivéssemos em 1964.

Ao invés da 2120 Michigan Ave,  a Dr. Barcelos 570. Ao invés de Chicago, Porto Alegre. A Stones Blues Band faz você mergulhar no passado, indo de encontro à época em que Mick Jagger, Keith, Richards, Brian Jones, Bill Wyman e Charlie Watts encontraram Muddy Waters pintando as paredes do estúdio onde ele gravou canções que deram nome e vida aos Rolling Stones.

Se você espera ouvir reproduções fiéis às originais registradas nos discos ou mesmo nos shows, esqueça. Talvez você precise esperar alguns segundos até assimilar as notas e melodias de certas canções antes de identificá-las. O show da Stones Blues Band não é desenhado, não é fácil. Ele te provoca, faz pensar e te convida a aprofundar a discussão de onde a maior banda do mundo veio e para onde ela vai.

Cheiro de Chicago

Miss You tem cheiros e cores de Chicago. Sexy e envolvente, a canção concebida para ser uma versão “Bee Gees” e “discoteca” dos Stones, se transforma em tema para botecos enfumaçados, onde velhos bluseiros à Buddy Guy ou à Junior Wells cantam suas frustrações amorosas.

Mas tem mais, muito mais. O show não para de surpreender. Canções impossíveis de serem transformadas em blues como Paint it Black recebem slides que alegrariam Elmore James, tendo ainda algumas pitadas de Johnny Cash. You Got the Silver, Wild Horses, Jumpin’ Jack Flash, Sweet Virginia, Like a Rolling Stone, Dead Flowers, Let it Bleed e, acreditem, The Worst, entram no cardápio.

Há canções mais bluseiramente óbvias, como Spider and the Fly, Route 66, It´s All Over Now, Not Fade Away e Walking the Dog, mas que estão longe de frequentar assiduamente os setlists dos mega shows dos Stones nos dias atuais.

Resumo e surpresa

O resumo da história é simples. Se você é fã dos Rolling Stones, conhece o trabalho deles profundamente e anseia por alguma coisa diferente do mesmo de sempre, não pense duas vezes. Saia de casa e vá ao próximo show da Stones Blues.

Se você não é de Porto Alegre, ou mesmo que seja, fique ligado em Stones Planet Brazil, pois  apresentaremos uma grande novidade durante o mês de abril, que irá surpreender muita gente. Vale a pena esperar.

A Stones Blues

Trick Bernardi – vocais e guitarra

Alexandre Móica – guitarra e vocais

Paulo James – bateria e vocais

Aqui temos vídeo de Sweet Virginia. A qualidade da gravação não é das melhores, mas dá para sentir um pouco do clima.


Comentários

comentários