FOTO: CRISTIANO RADTKE/STONES PLANET BRAZIL

Quando os Stones anunciaram a Zip Code Tour, todos começamos a ver para quais shows poderíamos ir e a fazer contas para viabilizar financeiramente a aventura. Desde logo, o caminho mais fácil e menos dispendioso, óbvio, sem dúvida, era Orlando, escolhido por mim, Jéssica, Leandro e Márcio, o time que vai à terra do Mickey. O Fernando preferiu Dallas e Atlanta, enquanto que o Alex e o Bernardo ficaram com San Diego. Mas o Cristiano, mesmo sem ter confirmação, na época nem especulação quase tinha, queria e botou na cabeça que iria ver show dos Stones em pequeno teatro, em apresentação/ensaio para tour. E focou Los Angeles, o que foi esquentando com o surgimento das primeiras especulações e logo notícias.
Mesmo sem ter certeza de nada, o cara pegou a mochila, reservou hostel e se mandou para Los Angeles com a cara e a coragem. Ele está na cidade desde a meia noite da sexta passada, dormiu no aeroporto, e passou a correr atrás de informações sobre o show e a tentar de todas as formas achar a porta de entrada para a apresentação. Foi trabalho de 24h por dia, obstinado.
 Hoje à noite Cristiano estará no Fonda Theatre junto com 700 outros fanáticos para assistir à apresentação, que é o pontapé inicial da Zip Code Tour (antes de ele rumar para San Diego). O cara tá em transe, ainda incrédulo, sem saber nem o que pensar. Já chorou, riu, voltou a chorar. E não conseguiu escrever. Por isso, eu fiz breve entrevista com ele, que colocamos abaixo. Emocionem-se. Mas isso é nada. A emoção virá depois das 20h de hoje (horário de LA), 0h de Brasília.
O que passa pela tua cabeça na véspera do show, meu velho?
“Não sei direito o que pensar. Desde que começaram a surgir os rumores sobre esse show eu sabia que LA era o lugar para se estar, mas não sabia se isso seria possível, por uma série de motivos. Com algum sacrifício, vim pra cá apostando todas as minhas fichas nisso”.
Isso prova que é preciso correr atrás dos sonhos e que as dificuldades não servem de desculpa para não tentar?
“Com toda a certeza. Desde que fui convidado pra escrever no blog, que eu já acompanhava há tempos, sempre lia uma ou outra história relacionada a fãs obstinados, que não mediam esforços para estar em algum show ou conseguir o que quer que fosse, relacionado à banda. Não tenho como deixar de mencionar a nossa amiga Jéssica, que se esforcou para estar em Lisboa no primeiro show da vida dela, no Rolando, cuja história foi contada no blog,  e na romena Andreea, que também se esforcou pra ver a banda ao vivo e de quebra conheceu os caras no camarim. Enfim, os exemplos são muitos e eu sou da opinião de que quem quer, vai atrás e quem não quer sempre arruma uma desculpa”.
Como está o ambiente ai?
“Já viajei varias vezes pra ver os Stones, mas confesso que essa possibilidade de um show pequeno, prévio a uma tour, eu nunca havia passado. LA não tá – ainda – com o espírito Stones, como a gente já viu em vários lugares, mas o que vi foi que os fãs obstinados estão por todos os lados e hoje eu tive a oportunidade de conhecer e encontrar vários deles”.
Este texto foi escrito antes de o Cristiano pegar o ingresso dele. E ficou na gaveta por horas, até termos certeza do êxito. Foram momentos de imensa tensão para todos os amigos que nos ajudam no blog. Talvez este seja o segredo de Stones Planet Brazil. Trabalhamos como time, sem inveja, um torcendo e ajudando o outro a conseguir alcançar seus sonhos. Todos sofremos quase tanto o Cristiano. Eu, Jéssica, Alex, Márcio, Fernando, Leandro, enfim, todos. E por isso, graças à determinação de cada um e de todos, podemos levar aos amigos, tudo que levamos de informação. Porque não tem “eu” no blog, tem “nós”. O Cristiano hoje, é nós todos, a equipe, os amigos, os leitores. E em cada show qye formos, podem ter certeza, será sempre assim. Nós todos fomos.

FOTO: CRISTIANO RADTKE/STONES PLANET BRAZIL

Como é costume, o sucesso da aventura se deve à parceria Stones Planet Brazil/ 40×5 Tributo Bar, de Buenos Aires, sem a qual tudo seria mais difícil. Pois da mesma forma como, nós, nosso amigo Juan Ignacio, trabalha sempre para ajudar a todos, a manter a chama Stones viva. Gracias por tudo, hermano! Hasta Orlando! Sim, Stones é vício. E não podemos parar!

Comentários

comentários