As vendas de Blue and Lonesome seguem a todo vapor, o que mantém o disco no Top 20 de vendas em vários países. De acordo com o chart semanal de Media Traffic, o lançamento acabou a última semana na quarta colocação das vendas mundiais, lembrando que o álbum chegou a liderar a lista. O novo CD dos Stones teve 107 mil exemplares comercializados nos últimos sete dias (aqui se considera CDs, downloads, execuções no Spotify, etc). Ao todo, já são 1.412.000 exemplares vendidos.

O ranking de vendas da última semana por países:

  • Estados Unidos: 18º
  • Reino Unido: 10º
  • Alemanha: 5º
  • França: 6º
  • Austrália: 5º
  • Holanda: 3º
  • Canadá: 14º
  • Espanha: 12º
  • Dinamarca: 19º
  • Noruega: 7º
  • Áustria: 3º
  • Suíça: 1º
  • Bélgica: 2º

Você pode conferir o chart completo clicando aqui.

Para comprar o CD Blue and Lonesome, clique aqui.

Se você procura o LP duplo Blue and Lonesome ou a caixa Deluxe (CD+livreto+5 postcards) nos consulte pelo e-mail andreribra@hotmail.com, que temos peças à venda.

RESENHA DE BLUES AND LONESOME

Por André Ribeiro
Um bar enfumaçado em Chicago. Copos de whisky rolando de um lado ao outro. Ao fundo, uma banda toca velhos blues a todo volume. É um som sujo, cru, pesado. O cantor grita com sua voz rouca intercalada com gemidos da harmônica. As guitarras se entrelaçam, encorpadas pelo embalo da cozinha. O piano corta o som com um boogie woogie nervoso. Blue and Lonesome faz os Stones sentirem na pele o que seus heróis, Muddy Waters, Howlin’ Wolf, Little Walter, Jimmy Reed e tantos outros viveram nestes pubs fétidos de Illinois.
Se você quer conhecer os Rolling Stones, saber quem são, de onde vieram e para onde vão, Blue and Lonesome resume toda esta história em pouco mais de 42 minutos de música. Não há frescura, não há efeitos, não há tecnologia. Há uma banda tocando ao vivo em um estúdio de Londres como se estivesse no Marquee em 1962. Os Stones levaram décadas para gravar o álbum que os definiria artisticamente à perfeição. Nada na carreira destes senhores selvagens soa mais autêntico e visceral do que Blue and Lonesome. O som é surpreendentemente pesado, metendo um pé no hard rock e logo voltando para o blues elétrico de Chicago.
Não há destaques em Blue and Lonesome. Todas as canções são destaques. Mick canta ferozmente, vocifera as letras com energia e melancolia, entre o berro de desespero e o gripo de alívio. Keith e Ronnie mostram tudo e mais um pouco do que podem e sabem fazer. Eles não tocam, eles detonam, quebram tudo e ainda mandam o recado: “Palhaço, olha bem com quem tu tá falando”, puxando canivetes ameaçadoramente dos bolsos dos seus jeans.
Charlie está tão potente quanto sempre. Mantém todo seu charme e swing, em perfeita sintonia com o baixo de Darryl Jones, que incorpora um Willie Dixon do terceiro milênio.
Eric Clapton tem participação discreta, contida. Não se atreveu a ultrapassar a fronteira de convidado especial diante da violência sonora de Keith e Ronnie.
Você precisa de destaques, faz questão? Ok, ouça Blue and Lonesome, a faixa título, que é reprodução fiel da original de Little Walter, mas também dê atenção especial a Commit a Crime. Dê atenção às 12 faixas do disco. Ele acaba e você quer mais.

Comentários

comentários