Munro Sounds

Atendendo à ansiedade de nossos leitores, estamos publicando detalhes sobre o livro According to The Rolling Stones, que ganhará edição nacional entre os dias 16 e 20 deste mês. O livro tem 360 páginas, 328 imagens e mede 30x22cm, em capa dura. O valor sugerido é de R$119,00, mas se acha promoções com melhores preços. O livro é autoria de Dora L. E Plhilip Dodd, que na verdade colheu e organizou depoimentos de Mick, Keith, Charlie e Ronnie sobre a trajetória da banda. Abaixo, release de divulgação enviado pela assessoria de imprensa da COSAC NAIFY, editora responsável pelo lançamento no Brasil. As fotos postadas aqui estão incluídas no livro. Fiquem atentos que logo teremos mais informações.

Release:

Cosac Naify lança mais completo livro já feito sobre os Rolling Stones e inaugura as comemorações dos 50 anos da banda, criada em 1962, a maior banda de rock do mundo, epíteto que acompanha os Rolling Stones desde o início dos anos 70, é também a mais resistente. A única da sua geração em atividade com prestígio de sobra, prestes a completar meio século de carreira, em 2012. Efeméride que já estaria movendo as engrenagens para botar de volta à estrada o misto de
indústria, circo e comunidade Stones. Aconteça ou não essa (derradeira?) turnê, eles de nada mais precisam provar. Mas provam, também nesse livro, referência obrigatória para quem acompanha o grupo e o rock em geral.
Como o título entrega, According to The Rolling Stones: A banda conta sua história traz a versão segundo o grupo: três dos membros fundadores, o cantor Mick Jagger, o guitarrista Keith Richards e o baterista Charlie Watts, e o guitarrista Ron Wood, que se integrou a eles em abril de 1975. Os quatro relembram, através de 12 capítulos em ordem cronológica, como aqueles garotos ingleses branquelos formataram seu inconfundível estilo, inicialmente influenciado por mestres negros
do blues e do rhythm. n. blues. Também revelam como sobreviveram às pressões do estrelato, às drogas, a excessos de todos os tipos, tirando das adversidades tanto lições de vida quanto inspiração para suas músicas.
Entremeados aos capítulos de entrevistas estão ensaios de amigos e colaboradores que conviveram intensamente com eles em diferentes e cruciais momentos. Gente como, entre outros, o executivo
turco-americano Ahmet Ertegun (um dos fundadores da gravadora Atlantic, à qual o grupo se associou em 1971), o produtor Don Was (responsável por recentes CDs) e a cantora Sheryl Crow (que fez shows de abertura nas turnês .Bridges to Babylon. e .Forty licks.). Tudo fartamente ilustrado por imagens selecionadas de acervos pessoais e da banda e dos arquivos de fotógrafos contemporâneos como David Bailey (que também assina um dos ensaios, relembrando sua amizade com
eles na Swinging London dos anos 60), Mario Testino, Anton Corbijn, Norman Seef, Jim Marshall, Val Wilmer, Gered Mankowitz e Terry O.Neill.
According to The Rolling Stones começou a nascer durante a turnê. Forty licks., iniciada em setembro de 2002, quando os Rolling Stones completavam 40 anos de carreira. A equipe que conversou com os Stones incluiu os dois organizadores do volume, Dora Loewenstein e Philip Dodd,
e ainda Tim Rice (o letrista de Andrew Llloyd Weber) e Rob Bowman (acadêmico canadense especializado em blues, soul e rock). Eles realizaram quatro extensas rodadas de entrevistas, cada uma numa parada do show: São Francisco, Los Angeles, Melbourne e Tóquio. Dora, a idealizadora do volume . que teve consultoria editorial de Charlie Watts -, dirige uma empresa de eventos e é uma legítima integrante da família Stones., filha que é do príncipe Rupert Loewenstein (que administrou as finanças do grupo e também dá seu depoimento num dos ensaios).
Lançado na Inglaterra em 2003, a versão brasileira tem discografia e cronologia atualizadas até o fim de 2010. Mas, como os próprios Stones contam, o principal de sua história se concentra nas duas primeiras décadas. Com riqueza de detalhes, relembram os primeiros passos na música, numa época em que não sonhavam durar mais de dois anos. O mosaico de depoimentos oferece pistas de como foi possível sobreviver por tanto tempo. E enfrentar traumas como a prisão de Mick e Keith em fevereiro de 1967, acusados de porte de droga; a demissão de Brian Jones, em junho de 1969, seguida de sua morte um mês depois, afogado na piscina de sua mansão nos arredores de Londres; o concerto de Altmont, na Califórnia, quando um jovem na plateia foi esfaqueado e morto pelos Hell.s Angels.
O livro também traz relatos de como nasceram seus principais clássicos. O primeiro (e talvez o maior) deles, .Satisfaction., em 1965, quase por acaso. O grupo estava em turnê quando foi informado de que aquele rascunho não só entrara como seria o primeiro single do álbum Out of our heads. Keith Richards explica que tinha usado o efeito na guitarra, um pedal fuzz que virou a marca da canção, para sugerir um riff dos metais, pensando que mais tarde a banda voltaria ao estúdio para fazer a versão definitiva…. Mas Andrew (Loog Oldham) captou o espírito da música. Ela ainda não estava pronta na nossa cabeça, mas às vezes os esboços dos artistas são melhores do que a pintura final. De repente eu a ouvi no rádio, em todas rádios, e pensei: Não vou reclamar, embora eu nunca a tenha considerado uma peça acabada.
Mark Hayward e Philip Townsend

Comentários

comentários